quarta-feira, 30 de Março de 2011

Produção de texto

Continuando conversa iniciada aqui

Vou colocar um pouco de como trabalho tanto com primeira quanto com segunda série. Todos os dias faço leitura de diferentes gêneros textuais para que os alunos tenham acesso a textos bem escritos, ampliem seu vocabulário e também tenham modelos de diferentes tipos de textos para poderem, mais tarde, criar os seus próprios com autonomia.

Duas vezes por semana faço a leitura e compartilhada (eles tem uma cópia do texto em mãos e acompanham a leitura), 3 vezes por semana eu leio para eles e sempre deixo o livro ou outro portador ao acesso dos mesmos. Essa leitura diária dá muito suporte tanto para a leitura quanto para a produção deles.

A produção oral com destino escrito também é excelente. Começo a produção por listas (sempre no mesmo campo semântico), depois trocando desenhos por palavras, em seguida criando frases com autonomia, o trabalho posterior é o de ampliar frases. Terminado o trabalho com listas e com frases passo para a fase de criar histórias à partir de sequência de gravuras, depois criar o início, o meio ou o final da história. Segue o trabalho com escrita de bilhetes, cartas, criação de acrósticos, criação de propagandas, anúncios e outros tipos de textos semelhantes.

Logo depois os trabalho com reescrita de final de contos e até com reescrita de contos dependendo da turma. Bem, sempre no início da alfabetização a reescrita de cantigas, quadrinhas, parlendas e trava línguas são fundamentais (são os textos de memória).
Trabalho da mesma forma tanto na primeira quanto na segunda série, vou adaptando para as necessidades e o nível da turma. A dificuldade vai aumentando de acordo com as competências e habilidades que as crianças vão conquistando, e, quanto mais progridem, mais vou lançando novas dificuldades.

Na primeira série, o professor pode atuar como escriba, os alunos vão ditando e o professor vai registrando na lousa. Sempre, ao iniciar qualquer trabalho com produção textual, costumo fazer uma roda de conversa para ver o que eles dominam, o que precisam saber.... Eles tem liberdade para colocar o que pensam e, dessa forma, vão comparando o que sabem com o que os outros sabem, vão trocando idéias e criando outras.

Só se aprende a ler e a escrever lendo e escrevendo. A autonomia de criar textos de autoria vai sendo construída aos poucos e, por isso, é tão importante o contato com os textos bem escritos e a troca de experiências.

Quanto mais eles se lançarem sem medo na produção de texto tanto mais vão melhorando na mesma. Quanto a avaliação, ora avalio somente a idéia, ora avalio a coerência, a sequência de idéias, o desencadeamento......

Eu amo trabalhar com produção de textos e gosto de acompanhar o processo assim que eles estão criando para ir lançando questionamentos de forma que possam refletir sobre o que e como estão escrevendo. Acho também importante que compartilhem, que socializem seus escritos. Eles precisam notar que tudo que escrevemos não escrevemos apenas para nós mesmos, que outros irão ler nossos escritos e que é importante que escrevamos da melhor maneira possível para que o outro não tenha dificuldade em ler (ortografia, pontuação, segmentação, paragrafação) e que entendam perfeitamente a idéia que tivemos ao escrever (coesão e coerência).

Quando trabalhamos com reescrita ou com criação de textos de autoria os alunos tem um grande progresso. Valorizar o crescimento de cada um também é fundamental ( é o tal do levantar a bola do aluno) elevar a autoestima. Costumo incentivar as crianças a ler suas produções para outras turmas e peço que os professores também façam esse intercâmbio. Eles gostam muito disso. Além de ler suas produções também podem ler um livrinho ou poesia que gostaram.

bjs querida e continue com seu excelente trabalho, sua turma está muito bem
Sonia R Ubeda
Moderação

Sem comentários:

Enviar um comentário